Etapas do Parto 2

Seu corpo se prepara

MUDANÇAS

Começa a lenta construção do milagre de gerar uma criança. Conheça cada umdesses passos.

Quando óvulo e espermatozóide se encontram, dando origem à mais fantásticahistória de todos os tempos, formam uma célula-ovo, que vai. passar porsucessivas transformações até o nascimento do bebê. Enquanto isso, seu corpotambém se altera para acomodar o novo ser que cresce ali dentro. Acompanhe,mês a mês, as etapas dessa evolução.1º mês: Seu corpo acusa ligeirasmodificações, fazendo você desconfiar de que está grávida: os seios aumentamde volume, a cintura começa a engrossar. Por enquanto, nem sinal de barriga.Mas, quando falta a menstruação, confirmando suas suspeitas, o em brião já temduas semanas de vida. Ainda na trompa, o ovo sofreu inúmeras divisões,formando uma bolsa de células, que foi se fixar nas paredes do útero. Duassemanas após a fecundação, começa a se formar a placenta, através da qual obebê será alimentado. Na semana seguinte, aparecem pequenos "brotos" que darãoorigem aos membros. Na quarta semana, já se distingue a cabeça do em brião eestá formado o cordão umbilical. Ao fim do primeiro mês, em bora nem chegue apesar um grama, ele já tem coração.

2º mês: Os seios continuam a crescer , preparando-se para produzirleite. Tornam-se pesados, quentes e dolorosos, cheios de veias azuladas. Aregião em tomo do mamilo (aréola) começa a escurecer e podem surgir alipequenos nódulos. Embora ainda não se note barriga. o embrião está sedesenvolvendo bastante. Olhos, nariz e boca aparecem com nitidez, da mesmaforma que braços e mãos. Essa fase é muito importante para o bebê. pois estãoem formação os sistemas circulatório, digestivo e respiratório. O cérebrocresce tão intensamente que a cabeça fica desproporcional ao tronco. No fimdesse mês, ele mede 3 cm e pesa 1g.3º mês: Finalmente a barriga começa a apontar. Não apenas seu úteroaumenta de volume para acompanhar o crescimento do embrião mas outros órgãos,como o coração e os rins, trabalham em dobro para atender às necessidades dofeto. Sua respiração fica mais acelerada, a digestão mais lenta (causando, àsvezes. prisão de ventre) e provocando uma vontade frequente de urinar. Osenjôos são uma resposta do organismo à verdadeira revolução hormonal queacontece lá dentro. Em virtude desses hormônios. pode haver mudanças na pele esuas gengivas podem amolecer, razão para redobrar os cuidados com os dentes.Nessa etapa, o esqueleto do embrião se torna mais consistente e se completa aformação de seus órgãos. O bebê já se move lentamente no útero, mas a mãe nemsempre percebe seus movimentos. Ao final desse mês, ele mede 7,5cm e pesa 15g.4º mês: Dizem que essa é a época de ouro na gravidez: livre dos enjôos,com uma barriga discreta e longe do risco de aborto. Você pode notar que estáganhando peso nas nádegas e que sua transpiração está mais abundante do que onormal (pela quantidade extra de sangue circulando em seu corpo). É nessa faseque você sente as primeiras "pontadas" e percebe, de fato, a existência dobebê. A essa altura, ele já tem os órgãos genitais externos formados em ovimenta-se continuamente no líquido amniótico. Ao fim desse mês, mede 16cm epesa 100g.5º mês: Seu útero em dilatação empurra os pulmões para cima e a barrigapara a frente, mas o peso não incomoda muito, por enquanto. Nessa fase, até asmães de primeira viagem conseguem perceber os movimentos dos pés e dos braçosdo bebê, como pequenos golpes abaixo da costela. Ossos e unhas do embrião começam a endurecer, surgem os primeiros fios de cabelo e a pele adquire umacoloração rosada (até então era fina e transparente). No fim desse período,ele mede 24cm e pesa 300g.6º mês: À medida que o abdômen cresce, o peso aumenta, e você começa ase sentir mais cansada. As pernas às vezes incham" no fim do dia e câimbraspodem atrapalhar seu sono. A coluna tende a se curvar para a frente,acompanhando a barriga, por isso as costas ficam doloridas. Também é nessafase que surgem cloasmas (manchas de gravidez), por causa da deposição na pelede um pigmento escuro, a melanina. Por outro. lado, sua vagina está maiselástica e úmida, o que a deixa mais sensível. O feto, que agora tem aspectode um bebê, já possui cílios e sobrancelhas e, de vez em quando, ensaiamovimentos respiratórios. Ao final, mede 30cm e pesa 700g.7º mês: Ao entrar no último trimestre da gravidez, sua barriga já temum ta manho considerável. Como o peso é bem maior, aumenta o risco de varizese edemas (inchaços) nos pés, mãos e rosto. Isso acontece porque há uma grandequantidade de sangue circulando pelas veias e seu retomo ao coração nem sempreé fácil. A essa altura, o bebê engordou bastante: uma espessa camada gordurosase formou sob sua pele, servindo como reserva nutritiva e protegendo-o. No fimdessa etapa, ele pode medir até 35cm e pesar 1,5kg.8º mês: A barriga incomoda muito, especialmente na hora de dormir. Seuorganismo trabalha feito louco: você gasta 20% a mais de energia para respirare realizar todas as outras funções normais. Quanto ao feto, cada vez tem menosespaço para se mexer, por isso empurra tudo o que está pela frente, causandouma dorzinha aguda na costela. Podem surgir dores também na coluna, ossopubiano e quadris, decorrentes do excesso de peso. Seu filho está quase prontopara nascer: agora sua pele não tem mais rugas, ele mede quase 40cm e pesa1,7kg.9º mês: lniciam-se os preparativos para o parto: seu útero começa aempurrar a cabecinha do bebê para baixo e ele vai penetrando na bacia. Comisso, a barriga desce um pouco, deixando livre o diafragma; portanto dá pararespirar melhor. Mas você pode sentir tonturas, principalmente antes de deitar, porque o bebê faz muita pressão contra as veias do seu corpo. É por poucotempo. Daqui a alguns dias, finalmente, você conhecerá de perto essecompanheiro de nove meses. Estresse da mãe pode prejudicar o feto

Tranqüilidadeé o melhor remédio - Que gestantesmuito ansiosas e estressadas geram bebês com peso abaixo do normal já sesabia. Agora, omecanismo que provoca essa situação acaba de ser déscoberto porpesquisadores do Queen Charlotte's and Chelsea Hospital, de Londres, e publicado no British Medical Joumal. Eles mostraram que a excessiva ansiedadeda mulher grávida aumenta a produção do hormônio noradrenalina. Essasubstância, por sua vez, provoca o estreitamento das artérias e,conseqüentemente, o fluxo de sangue para o útero toma-se menor e odesenvolvimento do feto é prejudicado. Segundo Vivette Glover, que participoudo estudo, agora os médicos. trabalham em outra pesquisa para verificar se osexercícios de relaxamento funcionam para ajudar as mães a ficar mais calmas.HORMÔNIOS SEXUAIS FEMININOS

Aprenda a conhecer melhor o seu organismo e entenda as suas reações. Nasmulheres que se aproximam da menopausa, a falta de conhecimento sobre oshormônios sexuais femininos pode dificultar a escolha da terapia de reposiçãohormonal mais adequada. E justamente para ajudá-las, nesta edição formulamosum resumo sobre a importância e o modo de ação destes hormônios.

HORMÔNIOS SEXUAISOs hormônios são substâncias que carregam mensagens de um órgão para outroou para os tecidos do organismo. Os hormônios sexuais atuam para permitir ofuncionamento adequado do ciclo reprodutivo. Os principais hormônios sexuaisfemininos são o estrógeno e a progesterona, ambos produzidos principalmentepelos ovários, durante a fase reprodutiva da mulher. Além disso, o hormôniofolículo-estimulante (FSH, sigla em inglês) é produzido pela hipófise, umaglândula localizada na base do cérebro. Este hormônio estimula as célulasgranulosas do folículo ovariano, que por sua vez, produzem estrógeno. Quandoos níveis de estrógeno atingem determinados valores, o hipotálamo (região docérebro) inicia a secreção do hormônio luteinizante (LH, sigla em inglês).Quando ocorre o pico de LH, o ovário libera o óvulo. O folículo ovariano setransforma no corpo lúteo, responsável pela produção de progesterona. Oshormônios promovem o desenvolvimento da mucosa uterina, preparando o órgãopara uma possível gestação. Quando não ocorre fecundação, a produção hormonaldiminui. Quando os níveis de progesterona caem até determinado valor, ocorre amenstruação (descamação da mucosa uterina). Os níveis reduzidos de estrógeno eprogesterona são responsáveis pela produção do FSH, reiniciando o ciclomenstrual. Com o passar dos anos, a quantidade de óvulos diminui. Por isso osníveis hormonais começam a variar: é o início da menopausa.

ESTRÓGENO - O estrógeno (estradiol) é o principal hormônio sexual feminino.Além de participar da ovulação, da concepção e da gestação, ele é responsávelpela manutenção da integridade óssea e pela regulação dos níveis decolesterol. Após a menopausa, a produção de estrógeno nos ovários apresenta-sereduzida. Pequenas quantidades deste hormônio continuam sendo produzidas pelotecido adiposo. A redução nos níveis de estrógeno pode causar osteoporose eproblemas cardíacos. A reposição hormonal, portanto, diminui o risco destasdoenças, além de aumentar os níveis de HDL (lipoproteínas de alta densidade,sigla em inglês) - o colesterol "bom" - e diminui os níveis de LDL(lipoproteínas de baixa densidade) - o colesterol "ruim".

PROGESTERONA - A progesterona atua conjuntamente com o estrógeno, preparando oorganismo feminino para a concepção e para a gravidez. Além disso, participada regulação do ciclo menstrual. Quando a menopausa se aproxima (peri-menopausa)e o ciclo se torna irregular, a progesterona desempenha um papel importante.Após a menopausa, o organismo da mulher produz apenas uma pequena fração daquantidade deste hormônio produzida durante a fase reprodutiva. O uso deprogestágenos sintéticos (uma forma de progesterona) com estrógeno promove adescamação da mucosa uterina. Nas mulheres que utilizam estrógenos, estaassociação diminui o risco do câncer de endométrio.

ANDRÓGENO - Embora muitos acreditem que o andrógeno seja um hormônioexclusivamente masculino, ele também é produzido pelos ovários, glândulasadrenais e outros tecidos. É um dos responsáveis pelo estirão de crescimento,observado na puberdade. Durante a menopausa, a produção de andrógeno podediminuir pela metade - ou mais em pacientes que retiraram os ovários. Apóseste período, a associação de andrógeno à TRH pode melhorar os fogachos em mulheres que permanecem com esta queixa após o tratamento com estrógeno.

CONHECENDO O PRÓPRIO ORGANISMO - Conhecer o próprio organismo pode ajudar amulher a escolher a melhor alternativa de tratamento para problemas hormonais.Entender os hormônios sexuais é importante, principalmente quando a menopausase aproxima.Etapas do Parto 1 | Etapas do Parto 3