Combatendo a Dor Espiritual

Ajudando as Mulheres Depois do Aborto Buffalo, NY -- Debbie Bastian era uma estudante universitária de 20 anos de idade quando ela decidiu "terminar uma gravidez não desejada" através de um aborto. Isto aconteceu a 18 anos atrás. A decisão apressada atormentou-a por um longo tempo, estendendo-se para os primeiros anos de seu casamento. "Por dois anos, eu tive pesadelos duas vezes por semana em que um bebê ensangüentado e pelado vinha bater na janela chorando, "mamãe, mamãe'," ela conta, descrevendo os seus primeiros anos como esposa. Ela finalmente encontrou paz sete anos depois do aborto através de um grupo religioso de apoio pós-aborto.

Vicki Thorn, uma autoridade no que se refere ao que acontece com as mulheres depois que elas fazem um aborto, dizque o trauma emocional e espiritual que Bastian experimentou é um caso típico daquilo que mulheres incontáveis, e alguns homens, passam depois de um aborto. Muitas experimentam depressão, sentimento de culpa, vergonha e isolamento, diz Thorn. Elas encontram dificuldade em se concentrar, elas têm pesadelos, elaspensam que ouvem um bebê chorando, elas pensam sobre suicídio, ou elas abusam do álcool e das drogas.

Algumas pessoas que apóiam o aborto concordam com Thorn de que as mulheres que fazem aborto podem estar sujeitas a vários graus de conseqüências emocionais por diferentes períodos de tempo. "Eu acho que as mulheres lidam com as conseqüências desta decisão o resto de suas vidas. Eu acho que afeta tudo o que elas fazem," disse o Rev. Charles D. Bang, pastor superior da Igreja Luterana de Buffalo Holy Trinity. A denominação deBang, Igreja Evangélica Luterana, apóia o aborto, mas só como "última saída" enunca como um meio de anticoncepção.

Compreensão, perdão e paz

Para mulheres que se sentem traumatizadas pelo aborto, Thorn oferece compreensão, perdão e paz espiritual através de um ministério chamado Project Rachel. "Nós temos toda uma geração de pessoas que foram tocadas pelo aborto", disse Thorn, que recentemente liderou um seminário sobre reconciliação para mulheres Católicas no Seminário Christ the King em East Aurora. Mãe de seis crianças, Thorn fundou o ProjectRachel, um ministério para mulheres e homens tocados pelo aborto, em 1984,enquanto servia como diretora do Escritório Respect Life na Diocese de Milwaukee. Desde então, o Projeto se espalhou para 145 dioceses.

Liz Danner, uma Católica de SouthBuffalo, é grata pelo fato de que o Project Rachel funciona na Diocese de Buffalo. Durante anos depois de ter feito um aborto, diz, ela se "desfazia em pedaços" quando via uma mulher com um bebê, e acrescentou que sentimentos muito fortes de vergonha e culpa fizeram com que ela evitasse ir a chá debebês. Todo ano no dia 13 de Julho, o aniversário de seu aborto, ela ficava "um bagaço". Ir a Missa, antes uma prática constante, estava fora de questão,disse ela. Danner diz que levou seis anos de aconselhamento com um padre doProject Rachel para ela admitir a si mesma e a ele que o aborto, que parecia correto naquele tempo, foi um erro.

Não é surpresa, disse Thorn, que onúmero de mulheres que sofrem de trauma pós-aborto seja enorme, porque quase 40 milhões de abortos foram feitos nos Estados Unidos desde 1973, quando a Corte Suprema legalizou o aborto ilimitado. Thorn descreve a primeira gravidez como uma "passagem que muda a identidade de mulher para mãe para o resto desua vida" independente do fato dela dar a luz ou não. É por isto, ela acredita, que seu escritório recebe ligações "de mulheres nos seus 90 anos queainda sofrem por causa dos bebês que elas abortaram 50 anos atrás."

Bastian, que agora é casada e tem três filhos, diz que Thorn está contando como realmente é. Uma ex-cantora cristãpor profissão que escreveu uma música sobre sua experiência com o aborto, Bastian, que não é católica, disse que durante um período de sua vida elaestava convencida que Deus ia puni-la sem misericórdia, talvez evitando queela pudesse ter outros filhos. Ela acreditava que ela tinha cometido um ato imperdoável porque o bebê que ela abortou foi concebido na Sexta-Feira Santa,o dia que Jesus morreu na cruz para pagar o preço pelos pecados da humanidade. Pressão social

Monsenhor J. Patrick Keleher, um padredo Project Rachel, disse que todas as mulheres que o procuram estã odesesperadas por perdão. "Elas precisam se sentir completas novamente -sentir-se humanas novamente. É difícil para elas olhar para um bebê ou pensarem ter um bebê", disse ele. Keleher descobriu que muitas mulheres se sentem pressionadas pela sociedade para fazer um aborto porque "Você não é casada,você é menor de idade, você precisa terminar os estudos".

Nenhum destes casos se aplicou a Danner.Ela tinha 36 anos de idade, estava casada a 16 anos e tinha dois filhos.Apesar disso, ela disse que se sentiu pressionada porque ela e o marido tinham acabado de comprar uma casa. Ela acrescentou que o marido não "estava muito entusiasmado" com a gravidez, e que outros membros da família perguntaram porque ela iria querer um outro filho. "Eu fui guiada a fazer um aborto. Eu decidi por mim mesma, com o apoio de meu marido, que o aborto era a coisacerta a se fazer", disse ela.

O Rev. William J. Quinlivan, outro padredo Project Rachel, oferece uma perspectiva diferente. "Foi a graça de Deus quelhe deu coragem de pegar o telefone e marcar uma hora comigo," ele diz às mulheres que ligam para ele. "Eu falo a elas sobre a misericórdia de Jesus",disse ele. Algumas das mulheres que procuram sua ajuda achavam que elas tinham lidado com as conseqüências do aborto mas perceberam que "a questão continua avir à tona até que elas a trouxeram para Deus," disse Quinlivan. "A gravidadedo pecado é uma preocupação. Existe uma percepção de que alguns pecados sãoimperdoáveis. Eu lhes recordo que Jesus morreu e nos salvou do pecado mais grave", disse ele.Três questões

Thorn, a fundadora do Project Rachel,diz que as mulheres que estão enfrentando dificuldades após um aborto precisam resolver três questões: O meu filho pode me perdoar? Deus pode me perdoar? Eu posso me perdoar?

Embora o aborto seja um procedimento que afeta diretamente as mulheres, Thorn disse que ela acredita que muitos homens podem ser afetados emocionalmente e espiritualmente. Dependendo do grau de seu envolvimento no aborto, o pai pode experimentar raiva, dor e tristeza, impotência, abuso de álcool e drogas, comportamentos de risco, e outras emoções e comportamentos não saudáveis. "Não existe uma semana que passe naqual eles não recebem a ligação de um homem", disse Thorn.

Thorn, que agora comanda a National Office of Post-Abortion Reconciliation and Healing, um ministério sem denominação religiosa, disse que 18.000 mulheres ligaram para o seu escritório nos últimos 5 anos.

Autor: ProvidaFamilia