Abortamento Habitual

O termo abortamento habitual é utilizado para designar aqueles casos nos quais a paciente é vitima de três ou mais abortos espontâneos consecutivos, quando a mesma deverá sofrer uma investigação diagnostica. A ocorrência de aborto espontâneo na espécie humana é fato bastante comum, não justificando abordagem diagnostica diante de um caso isolado. Para pacientes acima de 35 anos, alguns autores já preconizam investigação apartir do segundo caso.

Várias são as causas desta dramática condição, sendo que uma investigação completa é capaz de apontar o fator determinante em aproximadamente 60% dos casos. As principais causas são:1 - CAUSAS UTERINAS:

São constituídas por algumas condições nas quais ocorrem alterações na anatomia (forma) uterina:MALFORMAÇÕES: Algumas mulheres apresentam ,já ao nascimento, malformações uterinas variadas, como o chamados útero septado e útero infantil . Os dois casos são de fácil diagnóstico, sendo que no primeiro, o tratamento cirúrgico é a opção de escolha. Já o caso de útero infantil apresenta tratamento mais complicado e longo, utilizando-se de medicamentos variados.

MIOMAS: Miomas uterinos podem determinar abortamento de repetição, quando deformam significativamente o útero ou apresenta localização "caprichosa", a impedir a adequada implantação do embrião e seu conseqüente desenvolvimento. A cirurgia representa o principal tratamento nos casos bem caracterizados.INSUFICIÊNCIA DO COLO UTERINO: O colo uterino é a porção do útero que o conecta à vagina. Normalmente, ele permanece fechado(ou quase) durante toda a gestação, vindo a se dilatar somente por ocasião do parto.Algumas paciente, geralmente com história prévea de manipulação sobre este órgão(curetagem, cirurgia), exibem perdas gestacionais de repetição pela sua dilatação prematura. São perdas que geralmente ocorrem apartir do quarto mês de gravidez, na ausência de dor ou sangramento importantes, freqüentemente com eliminação de feto vivo.2-INSUFICIÊNCIA LÚTEA: O corpo lúteo é uma estrutura normalmente formada no ovário após a ovulação e que se responsabiliza pela secreção do hormônio progesterona. É este hormônio, que atuando no útero , vai criar condições adequadas para a fixação do embrião e manutenção da gravidez na sua fase inicial. São variadas as condições que fazem com que o corpo lúteo não desempenhe bem o seu papel, favorecendo abortamento precoce, geralmente precedido por morte intra útero do embrião , fato que pode ser documentado através do ultra som. Existem testes específicos para este diagnóstico que, quando adequadamente tratado, apresenta excelentes resultados.3-CAUSAS GENÉTICAS: Doenças genéticas variadas podem determinar abortos repetitivos e morte fetal tardia na gestação. Alterações dos cromossomos , na forma ou no número, são os achados mais freqüentes, justificando pois, o estudo dos restos ovulares obtidos após completado o aborto ou realizado curetagem uterina. O cariótipo(estudo citogenético) também deve ser feito no casal para este fim.Infelizmente, nem todas causas genéticas de abortamento podem ser diagnosticadas, e cariótipo normal não exclui perda por alterações genéticas.4-CAUSAS IMUNOLÓGICAS: O nosso sistema imunológico é o responsável pela produção de anticorpos, os quais nos protegem de infecções variadas. Este sistema esta preparado para produzir anticorpos sempre que uma proteína estranha invade o nosso organismo. Entretanto, um feto no interior do útero representa uma carga genética estranha ,a qual deveria ser atacada por anticorpos e finalmente eliminada, mas que é tolerada pelo sistema imune. Em condições normais, a gravidez bem sucedida parece representar um estado de "tolerância imunológica", a qual não é bem compreendida pela medicina. Em caso de descontrole nesta "tolerância", anticorpos maternos atuam contra o embrião a determinar sua morte e conseqüente eliminação, à maneira do que ocorre com órgãos transplantados. Atualmente dispomos de testes específicos para estes anticorpos, criando perspectivas razoáveis a boas de tratamento.5-DISFUNÇÕES GLANDULARES: Várias glândula interferem na evolução da gravidez, como a Tireóide e a Hipófise. Distúrbios nestes órgãos devem ser pesquisados, objetivando pronta correção.6-DOENÇAS CRÔNICAS: Algumas doenças crônicas, como o Lupus e Diabetes avançados, representam causas de aborto de repetição bem documentadas. Outras condições que interfiram com a saúde geral da grávida também podem ser responsabilizadas por tais perdas. A reprodução é colocada em segundo plano por um organismo cuja integridade está ameaçada com o aborto espontâneo representando um mecanismo de auto-proteção.7-INFECÇÕES: É questionável o papel de infecções no abortamento de repetição porém, algumas infecções específicas devem ser investigadas e prontamente tratadas, em especial quando acomete o colo do útero e o endométrio(membrana que reveste o útero internamente).8-ALTERAÇÕES OVULATÓRIAS: Como explicado na página INFERTILIDADE, para que ocorra gravidez é necessário ovulação(liberação do óvulo). Quanto um folículo se desenvolve no sentido de liberar o óvulo , ele o faz secretando um hormônio chamado Estradiol, o qual proporciona a preparação do endométrio para a fixação do embrião. Um endométrio bem preparado é resultante de adequado processo de maturação folicular e secreção hormonal, além de traduzir uma higidez própria(ausência de doença primária do endométrio).Sendo assim, no estudo do abortamento habitual é imprescindível um bom estudo do função ovulatória pois, esta pode esta comprometida, seja por causas próprias do ovário ou secundárias ao mal funcionamento de outras glândulas.